Segunda-feira, 14 de Agosto de 2006

Os senhores do camião do lixo

As férias estão a correr tão bem que mal tenho tempo para passar no blog.
Hoje, consegui arranjar tempo e escrever este pequeno texto.
 
______________________________________________________________________
 
 
Vendo o mundo pela minha óptica, e talvez devido à imaturidade própria de quem é imaturo, existem coisas que ainda não me digno a perceber. Ou escrevendo sem a mania que tenho a mania que até tento escrever: neste nosso planeta existem coisas a que ninguém dá importância, mas que, no entanto, dedico o desperdício do meu tempo.
Toda esta espécie de introdução confusa serve, perfeitamente, para falar sobre os senhores dos caixotes verdes.
 
Continuam sem perceber? Eu clarifico...
 
Andam sempre aos pares, um de cada lado, agarrados a um pequeno ferro, equilibrados num palmo de espaço plano, atrás de uma enorme máquina que alguém se lembrou, um dia, de chamar camião. As suas roupas são iguais, feias, sujas, horrendas e fedem todos os dias das suas curtas vidas a resíduos domésticos. Óptimos para atrair moscas.
A explicação foi a possível, mas, agora, sentem lentamente no sofá, porque vem aí a boa-nova, mas sem ser boa, muito pelo contrário, é má, muito má.
Calma, a notícia não é bombástica ao ponto de pararem a respiração e esbugalharem os olhos. Relaxem.
Preparados? Então, cá vai.
Estes tais senhores do camião têm um fetiche incondicional e, que já não conseguem esconder, por aqueles caixotes grandes e verdes que estão na berma da estrada em que as pessoas depositam os seus resíduos (normalmente designados por lixo).
O povo compete para ver quem mais lixo deposita no caixote. Não param quando a tampa já não fecha. Às vezes, esforça-se para colocá-lo na parte de fora, só encostado para ver se os canitos roem aquilo. A população luta pela sujidade no espaço envolvente, mas os “lixeiros” estragam sempre tudo com o “fetiche do caixote no ar”. Se não reparem, o povo está mesmo prestes a saber quem mais lixo colocou e estes senhores do camião calçam as luvas, levam aquele enorme depósito esverdiado para o camião, depois é vê-los a esbanjar prazer enquanto a máquina levanta o caixote e engole a porcaria . Fumam um cigarro e partem pendurados na traseira como se nada se passasse. Tenham juízo.
 
 
 
 
 
P.S.: Acompanhem o meu raciocínio. O camião tem três lugares e os lixeiros são três. Então porque é que aqueles dois não vão na parte de dentro. Não me venham dizer que não são fetiches ou taras.
 
.
sinto-me: estragado
publicado por pacotesdeleite às 18:36
link do post | comentar | favorito
|
2 comentários:
De padeiradealjubarrota a 16 de Agosto de 2006 às 02:54
Frustração minha: não consegui entender lá muito bem. De qualquer maneira acho a profissão altamente crucificante.
De pacotesdeleite a 18 de Agosto de 2006 às 19:58
Não fiques frustada.
A culpa é minha.
Anda com as ideias baralhadas.

Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Maio 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. O poeta tarado

. Viagem de Finalistas: Llo...

. Come a papa, Coisinha, co...

. Adivinhação

. Amo-te camionista

. Desculpem o Bush, já!

. Carta

. Feliz Natal

. Vontade de ser passevite

. A minha vida mudou...

.arquivos

. Maio 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

.tags

. todas as tags

.favoritos

. Um sonho bom

. Conto quase para crianças

. TV de culto

. ...

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds